terça-feira, 30 de outubro de 2007

DICOTOMIA.
























É noite, é noite...
O silêncio é escuro
A escuridão grita.
A calma vem lenta
Os olhos fecham
Não dormem
Os sonhos povoam
Um canto tímido
No canto da cama
No canto do quarto
No canto da sereia.

Dilean De Bragança

8 comentários:

Luciana Cantanhede disse...

Oi Dilean, por já visitar-lhe algumas vezes tive o prazer de conhecer-lhe melhor e aos teus textos incríveis.
Por esse motivo deixei um presentinho para você no meu blog, espero que goste...
Bjss

Ayurvૐda disse...

olá Dilean!!
vc tem poemas muito belos!
adorei!
(não se importa se tomar emprestados alguns e espalhá-los por aí, tal qual a brisa espalha a fragrância das flores do campo??????!)
um beijo carinhoso pra vc!
Oliv3r.

Erika disse...

adorei o fim em todos os cantos.

beijo

Cáh Morandi disse...

Você tem dom com as palavras...Amo tudo que escreves porque me vjo dentro de tuas poesias. Adicionei o seu blog nos favoritos do meu. Agora teu nome fica lá iluminando minhas poesias.. te amo minhamaninha!

delusions disse...

Lindo! Adorei esta dicotomia :)

Bjinho*

Bom fim-de-semana

Lorraine disse...

Você me faz viajar com suas palavras... Delícia de blog!!!Parabéns!!!!

disse...

Vejo que uma amiga minha também anda por aqui. :-) Foi através dela que vc chegou ao meu blog? Ela = Lorraine. Belo poema.

A. C. O'Rahilly disse...

Excelente poema. Conduz você dormir, sem um som ... então ela ecoa.